Vendedores desonestos aplicam golpe para vender assinatura de revista

Para vender assinatura de revista, vendedores desonestos aplicam golpe em consumidores: " – É grátis! Você só paga o custo do envio da revista." Isso é mentira!

O número de relatos de consumidores que foram vítimas do Golpe da Assinatura de Revista não para de crescer na internet, todos os dias recebemos inúmeros comentários de pessoas que, infelizmente, caíram nessa prática criminosa de venda de assinatura de revista. A maioria dos relatos foi de que o ato foi praticado em aeroportos, rodoviárias e pontos turísticos. Neste artigo explicaremos como esse golpe funciona e também o que fazer caso você seja mais uma vítima.

COMO FUNCIONA O GOLPE DA ASSINATURA DE REVISTA

Já relatamos aqui no blog várias e várias vezes que esse tipo de golpe vem acontecendo em vários locais de grande circulação, principalmente em aeroportos, vendedores de assinatura de revistas oferecem uma suposta assinatura gratuita por um ano – alegando que aquilo é um estímulo a leitura, premiação por parceria com bandeira de cartão de crédito ou companhia aéreadizem que o consumidor só precisa pagar o custo do envio através de um cartão de crédito MasterCard ou VISA.

O que o consumidor só vai descobrir é que ele na verdade contratou uma assinatura que custa entre R$300 e R$900 por ano! Só vai descobrir isso quando recebe um SMS de compra parcelada em 12x no cartão de crédito ou então quando receba a fatura.

A desonestidade dos funcionários que aplicam esse golpe é impressionante, não sei como eles conseguem dormir tranquilos depois de enganar tanta gente! Isso é, infelizmente, o reflexo do brasileiro, sempre querendo ganhar vantagem em cima dos outros.

Por outro lado, não podemos deixar de criminalizar as editoras, pois, certamente, elas devem saber do golpe aplicado por seus funcionários, afinal, são tantas reclamações! Mas não podemos deixar de analisar o lado do funcionário, talvez ele seja obrigado a fazer aquilo pelo empregador, certamente as editoras de revista jamais admitirão que estimulam seus funcionários a aplicar o golpe.

O golpe, em sua maioria, é aplicado em aeroportos e rodoviárias pois os vendedores aproveitam do fato da pessoa estar viajando e não poder voltar ali para reclamar.

O QUE FAZER CASO VOCÊ CAIA NO GOLPE

Caso tenha caído em um dos golpes a seguir:
  • Assinatura de revista grátis;
  • Promoção de assinatura grátis em parceria com uma suposta companhia aérea;
  • Revista grátis patrocinada por uma suposta companhia aérea;
  • Mala + assinatura de revista grátis;
  • Só paga a taxa de envio da revista; dentre outros….

É fundamental que o cliente entre em contato com a Central de Atendimento da Administradora e diga que NÃO reconhece aquela compra, fala que você foi vítima de um golpe e que o valor passado em seu cartão não foi o acordado no momento da venda. A administradora cancelará a compra e bloqueará o seu cartão por fraude (um novo cartão deverá ser emitido) a compra será contestada pelo setor de segurança.

Infelizmente algumas administradoras dificultam esse cancelamento (mesmo o cliente alegando que foi vítima de fraude), daí a alternativa é procurar a empresa para pedir o cancelamento.


Ao vender a revista a empresa cometeu crime contra o consumidor, violando claramente o Código de Defesa do Consumidor (CDC), recomendamos as seguintes atitudes:
  • Cancelamento do cartão – afinal, o vendedor desonesto pode usar suas informações para vender mais assinaturas e, assim, bater metas;
  • Tente cancelar a compra por fraude junto a central de atendimento – às vezes resolve;
  • Boletim de ocorrência – você caiu em um golpe e, portanto, deve registrar um B.O (Boletim de Ocorrência) em uma delegacia. Em alguns estados é possível registrar a queixa através da internet, procure por Delegacia Eletrônica. O que o vendedor/editora fez com você é CRIME CONTRA O CONSUMIDOR, oferta enganosa de produto e/ou serviço.
  • Ação de indenização – o último passo é procurar a justiça, você pode ganhar uma boa indenização por danos morais. Caso não possa pagar um advogado procure pelo Procon ou pelo Juizado Especial Civil (Juizado de Pequenas Causas), onde é possível entrar com um processo sem ter que contratar um advogado;


Por último, mas não menos importante, relate o ocorrido em um comentário no blog, isso é fundamental para alertar outras pessoas e evitar que o golpe continue a ser aplicado.

Caiu em um golpe? Relate abaixe nos comentários, não esqueça de dizer como foi o golpe e o nome da editora que o funcionário estava representando.


0 comentários:
Postar um comentário

Evite usar a opção "Anônimo", se não tiver conta no Google, preencha seu nome na opção "Nome/URL"